FERNÃO CAPELO GAIVOTA

 

Diálogo Primeiro (O Despertar)

Fernão, por que sonhas elevar teu corpo cada vez mais alto, no céu, e de lá despencar com a rapidez de um falcão?

Ó Voz Interior, por que me desanimas? Sempre ouvi que devemos lutar por nossos sonhos. Desejo ser muito mais do que uma gaivota comum. Preciso tentar...

Filho amado, caso consigas alcançar teu objetivo atual, ainda assim continuarás sendo uma gaivota infeliz/insatisfeita, como todas as outras, pois novos sonhos/desafios rapidamente irão invadir teu coração e continuar te atormentando, como têm feito até hoje. Desejas ser diferente pelo ignóbil motivo de ficar em evidência, para fortalecer tua autoestima; mas, pagas com tua Paz, por esta ambição. Portanto, melhor é desistires de todos os sonhos, que fervilham em tua mente. No entanto, não imagines, nem por um segundo sequer, que é covardia, tal atitude. Negar-se a ser lançado, de um lado para outro, pelos próprios sonhos/desejos/paixões, é poderosíssima demonstração de força interior e um passo importante, no caminho que conduz à Paz. Esquece tudo que o mundo te ensinou, sobre força, coragem e virtudes.  Queres voar mais rapidamente do que o pensamento? Eleva tua consciência ao "céu" do Espírito e mergulha no Coração, aqui e agora, sem saíres do lugar. Queres conhecer tudo? Reconhece, dentro de ti, a tua real natureza; então, conhecerás a Existência inteira, sem mover-te de onde estás. Sabe que chegou tua hora de fazer meia-volta, na vida, e iniciar a jornada em direção à Verdade/Perfeição. Prepara-te para compreender o verdadeiro significado da palavra "Amor":  dizer "Não!" para si mesmo e, "Sim!", para toda a Criação. Nada temas, porém, e não desanimes: estou contigo por toda a Eternidade.

 

Diálogo Segundo (Novo Rumo)

Fernão, filho de nossa carne, por que voas sozinho, desrespeitando os costumes e as regras de nossa sociedade? Por que não aceitas tua condição de gaivota? Será prudente rejeitares a autoridade de nossos anciãos? Volta para casa, Fernão.

Pai e mãe queridos, muito me esforcei e sofri para vencer nesta vida, ser a melhor entre todas as gaivotas. Tanto e tanto sofri, que finalmente aprendi: para conquistar tudo, antes é necessário desistir de tudo. Então, estou desistindo desta vida, que erroneamente me ensinaram ser a única possível, para me fazer merecedor de conquistar a Vida. Renunciei ao sonho de superioridade, mas ainda aspiro ser mais do que uma simples gaivota. Não posso satisfazer vossa vontade, pois sei que esta meta não é um daqueles caprichos infantis, que eu considerava objetivos maduros e indispensáveis. Não voltarei para uma sociedade que acha normal passar a vida inteira brigando, por causa de lixo. Se vossas lideranças conhecessem e ensinassem a Verdade, nosso mundo deveria ser um paraíso. Não, queridos pais; não há, em vosso caminho, as respostas pelas quais meu coração sinceramente anseia: o que é Bem e o que é mal, o que é Amor...

 

Diálogo Terceiro (A Luz)

Mestre, a vida será só isto: comer, dormir, procriar, vez ou outra vencer, muitas vezes perder, definhar e, finalmente, morrer? Não há descanso para a alma? Dá-me Luz, Senhor; alivia-me da angústia. Em algum lugar, existirá verdadeira Paz/Felicidade?

Filho, se acreditas ser este corpo com asas e penas, conhecido como "Francisco Coutinho Gaivota", então a vida é apenas isto, que teus sentidos físicos captam e teu intelecto interpreta, e o ciclo de sofrimentos só terminará com a morte material. Sendo assim, nasceste com a missão de esforçar-te por sofrer o mínimo possível, até o momento do último suspiro, mesmo que, para sofreres pouco, tenhas que fazer sofrer muito, as outras gaivotas. Entretanto, se começares a perceber, dentro de ti, que não és um corpo, mas sim a Vida que o permeia e sustenta, aqui está a boa-nova para ti: Paz e Felicidade existem e são tuas mais íntimas companheiras; não precisas buscá-las, no mundo, pois elas são a mesma Vida que és. Não as percebes agora mesmo, porque a falsa certeza de ser um corpo bloqueia a tua percepção. O pensamento "eu sou este corpo" é como as nuvens pesadas, que nos impedem de enxergar o Sol, embora ele esteja lá no céu, como sempre. Esta Vida, que fala contigo, por muito tempo acreditou ser um corpo chamado "Fernão Capelo Gaivota" e se orgulhava de suas individualidade/pseudovirtudes. Num dia, porém, abandonei a limitação mental do corpo e, com isto, desapareceram os apegos/paixões e seu séquito de sofrimentos. Extasiado, vi instantaneamente o ódio transformar-se em Amor; os ressentimentos, em Perdão/Misericórdia. Após perder tudo, ganhei tudo, como me ensinou a Voz Interior, muito tempo atrás.

Mas, Mestre, sempre foste especial, divino. Como poderia, eu, seguir teu exemplo?

Nem por um instante, creias que sou especial; sou exatamente como todas as gaivotas. Contudo, em um momento da Existência, fiz meia-volta na vida e direcionei o esforço para a única meta digna de nosso esforço. Não fui o primeiro, a atingi-la, e nem serei o último. Tu estavas espiritualmente morto; mas, quem, devido a seu esforço, começa a ouvir a Voz da Verdade, não pode permanecer morto, nem que queira. Portanto, não te ressuscitei: tu mesmo escolheste viver. O mérito, por tua ressurreição, é somente teu. Humildemente confiante na Força Interior, que já percebeste não ser a chamada "força de vontade", inicia agora mesmo a tua divina ascensão, impulsionado pelo motivo correto: porque descobriste ser o maior de todos os erros, continuar vivendo sem Vida, sem Amor. A Verdade, em sua infinita compaixão, me ensinou isto. Agora, ela também ensina a ti: és a Vida, que desconhece sofrimentos e jamais morrerá. Somos, todos nós, a mesma Vida Eterna...

 

 

Para o verdadeiro Fernão Capelo Gaivota, que existe em todos nós.

 

16/08/2013

 

http://quemsoueu00.blogspot.com/

 

 

P.S.:  O livro/filme, título deste texto, é mui querido no mundo inteiro, porque é interpretado da forma mais conveniente/doce para os egos. Quem não quer acreditar que está sendo confirmada a sua crença de que é certo lutar, ferrenhamente, por seus sonhos? Que a concretização deles depende, unicamente, de sua própria força de vontade? Muitas vezes ouvi o ditado popular que diz ser, o melhor remédio, aquele mais amargo. A interpretação aqui apresentada é a mais amarga, pois destina-se às "gaivotas" que buscam libertar-se (curar-se) de todos os grilhões (males) do mundo e "voar", livres, no "céu"...

www.000webhost.com