VENCER A VIDA

 

"No mundo, tereis tribulações; tendes coragem, pois Eu venci o mundo"  (O Cristo)

 

 

 Se o "eu" mencionado acima (João, 16.33) se referisse apenas ao homem Jesus, a frase não teria valor algum para o restante da humanidade. Contudo, se a identidade real do vencedor for percebida, se compreendemos (sem influência exterior) que o pronome pessoal refere-se à manifestação crística que existe, adormecida ou não, dentro de todos os seres vivos, isto significa que a pessoa entrou no caminho da mesma vitória que o Grande Instrutor alcançou...

A expressão "vencer na vida" é oposta a "vencer a vida". A primeira significa, todos sabemos muito bem, alcançar riquezas materiais, honrarias mundanas e poder sobre seus semelhantes; significa ser invejado, temido e desejado, ser o centro das atenções. Conheço, de longa data, o prazer ou, como dizem atualmente, a "gratificante sensação" de sentir-se o maior e o melhor. No entanto, há alguns anos me ocorreu interiormente que existe "vencer a vida" e, desde então, venho, aos pouquinhos, descobrindo que esta vitória é muito mais importante do que aquela, embora ainda continue extremamente escravizado à primeira. Vencer a vida significa transcender todos os males/apegos da existência e recentemente obtive, não pela primeira vez, prova interior desta verdade, como relatado abaixo.

 

Este texto foi escrito devido à experiência pela qual passei, ao ler postagem em um blog, que faz menção ao sofrimento humano. Não houve premeditação: em um instante estava lendo e, de repente, aconteceu. Imediatamente após retornar à consciência habitual, transcrevi assim o ocorrido:

"Neste sublime momento, com lágrimas nos olhos, em raro instante de paz interior... pelo menos neste instante mágico, eu aceito a dor. Aquela dor causada por todas as mesquinharias do mundo, nem que seja por apenas um segundo, eu a aceito: não vou pedir ao Cristo que acabe com ela. Aqui e agora, quero aceitá-la e vivenciá-la, como Ele o fez. Em solidariedade a todos os que sofrem, aceito, aqui e agora, a pequena parcela de dor que coube a esta alma. Daqui a um segundo, não sei o que vai acontecer, não sei se o egoísmo vai assumir novamente o controle; mas, neste sublime segundo de paz, aceito todas as dores do mundo..."

Acredito que se eu estivesse, naquela ocasião, revestido com a armadura que habitualmente usamos (o orgulho), de nenhum proveito teria sido a leitura; pois, em vez de estar atento à mensagem, estaria subconscientemente julgando e criticando quem a escreveu. Felizmente, pelo menos naquele instante, estava 'desprotegido', ou melhor, protegido pela humildade; então, a divina experiência tornou-se possível.

Lendo agora a transcrição acima, causa-me surpresa o fato de que havia Paz e Felicidade (as lágrimas eram de beatitude), sem que nenhuma das condições exteriores, que me fazem infeliz, tivessem desaparecido (não houve alienação). O mundinho do digitador estava, como sempre, no mesmo lugar e as dores/frustrações habituais estavam presentes; porém, não me incomodaram durante a eternidade daquele instante. Aliás, pelo contrário: todos os sofrimentos eram sinceramente bem-vindos. Por um momento, não havia ego para reclamar e desejar...

Unicamente para possível benefício dos buscadores sinceros, que estejam lendo isto com humildade e dispostos a refletir imparcialmente sobre as revelações que ocorrem aos outros, vou me arriscar a divulgar, sem o apoio das palavras dos Sábios, o que tornou-se Verdade cristalina para mim (tal certeza interior é alcançável por todos e é por isto que assumo o risco). As lições da vívida experiência, parcialmente decodificada em palavras, são:

1. Desejar e buscar o fim do sofrimento pessoal é egoísmo;

2. Desejar e buscar o fim do sofrimento mundial é ingenuidade (no sentido de ignorância);

3. O fim do sofrimento (individual e geral) apenas virá quando não houver mais o desejo de que ele termine;

4. O fim do sofrimento apenas virá quando aceitarmos incondicionalmente o sofrimento (isto é: tornar-se uno com ele);

5. Aceitar permanentemente o sofrimento significa deixar de sofrer e alcançar Paz/Felicidade eternas (Reino de Deus).

Como tornar incondicional/atemporal a experiência descrita, que muitos já devem ter vivenciado? Como tornar-se UM com o sofrimento (isto não é masoquismo), assim como UM são os olhos e a visão? Observe que, por si mesma, a visão não pode enxergar os olhos de onde se origina; similarmente, quem é UM com o sofrimento, também não percebe qualquer sofrimento.

Como vencer definitivamente a vida (ou ego/mente)? Ainda não sei; mas, estou tentando descobrir (não se esqueçam de que é necessário não desejar alcançar esta vitória, ou seja: não devemos buscá-la com fins egoístas, pois todos os desejos o são). Caminho difícil, este, da evolução...

 

 

Senhor, que seja como Tu queres e, não, como eu quero.

 

26/03/2008

 

ttp://quemsoueu00.blogspot.com/

www.000webhost.com